segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Oração à Deusa


Sempre tive muitas dificuldades com rimas e poemas, mas em um momento do livro, lembro que encasquetei de escrever uma oração à Deusa, parte de um ritual que a Driali, clériga, precisa fazer para salvar a vida de alguém quase-spoiler gratuito para ver se meus 1d3 leitores ficam curiosos. Eis o resultado:

Filhos da luz e guardiães do tempo
Filhas da lua e arautos do vento
Filhos do fogo da purificação
Ouçam agora a minha oração

Desçam sobre mim e me façam unir
As vozes do templo interno, sentir
Faça-se novamente a conexão
Com o meu espírito e meu coração!

Asas de fogo, alma de luz
Pela senda do amor me conduz
Que eu seja o veículo da fé e da ação
Dirigida por coração, cabeça e mão.



Até que eu gostei do resultado, mas demorou para bolá-lo....

Para aproveitar coloquei aquela imagem que mostrei para vocês neste post, agora finalizada, só para dar um gostinho. Não ficou linda? (Valeu Angela!). E tem muitas outras dentro do livro, que está perto de ficar pronto!

6 comentários:

  1. Belíssima oração, e belíssima imagem! parabéns para as duas talentosas donzelas!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, o desenho da deusa ficou lindo!!!!

    E gostei muito da oração também. Muito inspiradora! ^^

    ResponderExcluir
  3. É preciso conhecimento e talento com as palavras para fazer uma bela oração como essa, parabéns, ficou ótima =)
    Imagino que seja difícil montar um bom poema, lembro-me das aulas de literatura, era interessante saber que o processo criativo dos grandes poetas era muito mais racional do que intuitivo, montar a estrutura de um poema é bem trabalhoso e requer muito estudo. Tenho vergonha dessas pessoas que se metem a fazer poemas sem o mínimo de estudo (vulgo poeta de botequim), achando que é somente intuição e inspiração, o resultado é aquele poema da moça da "coxa roxa" haha

    ResponderExcluir
  4. Obrigada pessoal, que bom que gostaram! O desenho realmente ficou lindo =)

    Poemas são mesmo muito difíceis de fazer, veja que minha oração-poema é composta de rimas pobres (rimas com palavras da mesma classe gramatical, menos conduz-luz, que é um verbo com um substantivo) e emparelhadas (a primeira estrofe rima com a segunda, a terceira rima com a quarta), ou seja, tecnicamente bolei o tipo de rima mais simples que se pode fazer e mesmo assim já deu trabalho (desculpem-me pelo papo nerd). Por isso admiro muito quem escreve esse tipo de coisa com seriedade! Hahahaha, esse da coxa roxa é um barato! Mas também fiquei impressionada quando descobri na faculdade o tanto de planejamento e trabalho que os poetas tinham para criar suas obras.

    ResponderExcluir
  5. Ficou realmente muito bom. Parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir