sábado, 19 de novembro de 2011

Lançar seu livro vale a pena...

Não se esconda mais!!
Olá meus nobres 1d4 leitores! Interrompo a programação costumeira de trilhas sonoras para um post especial. Primeiramente queria agradecer àqueles que compraram, ganharam =), se interessaram pelo livro, comentaram no blog e também aos possíveis visitantes anônimos que eu nem ao menos sei que passam por aqui.

Digo tudo isso com o intuito de animar possíveis escritores iniciantes como eu que passam por aqui. Por anos eu tive muito medo de tomar qualquer iniciativa em relação ao meu livro, eu o escondia nas sombras literalmente, hahaha, como se ele fosse quase um motivo de vergonha. Na verdade era. Eu não achava que alguém se interessaria por ele. Quando meu marido, então namorado, dizia que eu tinha escrito um livro para nossos amigos eu geralmente tentava mudar de assunto e falava que não estava pronto (e de fato ainda não estava).

De repente tive uma síncope, botei-me a escrever e escrever e lá estava o livro, pronto, terminado, esperando ainda uma continuação que certamente sairia se eu me propusesse a fazê-la. Marido que é um anjo que Deus me deu e leu todas as versões do meu livro com muito carinho dizia que ele era bacana; mas eu jamais acreditava na palavra dele, falava: "amor, você diz isso porque é meu marido/noivo/namorado".

E ficava sempre nisso, até que um dia eu e o Matheus estávamos conversando com a Angela, isso mesmo, a FANTASTIQUE ilustradora do livro, e com o Thales, marido dela, e lembro que eles disseram, "escreveu um livro, cadê que não mostra pra gente?". Sei lá, na hora me deu uma coragem, talvez por eu ter percebido que o interesse era genuíno, e não aquele "que legal, uma hora mostra pra gente... mas vocês viram (insira assunto aleatório)". O Matheus meu marido me deu a ideia de fazer uma proposta indecente para a Angela e assim começaram a nascer os personagens em ilustrações, e eu vi um sonho meu sendo realizado e a Angela vai para o céu se depender de toda a alegria que ela me proporcionou por isso. E eu vi a coragem aumentando, a vontade de dividir minha história crescendo, e de repente me vi fazendo um blog, que ficou inativo por algum tempinho.

Daí que comecei a postar uma coisinha ou outra e vieram pessoas interessadas, pessoas que eu nem conhecia ou que conhecia via blog da Astreya e que também foram me dando ânimo. Como eu disse no agradecimento no início do livro a cada comentarista, por vezes as pessoas que estão longe e que nunca vimos fazem mais diferença do que um monte de gente que está por perto. A Angela leu o livro sendo minha segunda leitora e novamente fazendo algo que me deixou extremamente feliz e grata =), e quando disse que a história era ao menos legível (brincadeira, ela elogiou, sou eu que deturpo as palavras!), eu novamente senti mais um pouquinho de coragem.

A cada postagem me sentia um pouco mais encorajada, e pá-pum, sem mais nem menos fomos fazendo as coisas, o André diagramou o livro e postou na loja da redbox num susto. Naquele dia senti um medo danado, uma insegurança que me é muito característica, mas também fiquei me sentindo feliz (apesar de ter certeza de que ninguém o compraria). E vieram os primeiros pedidos (muito obrigada Amanda e Fábio) e algo que jamais imaginava ser possível há meses atrás se realizou.

Estou sendo extremamente verborrágica apenas para dizer que, há 1 ano atrás, eu ficava simplesmente paralisada de agonia só de pensar em mostrar meu livro a alguém que não fosse meu marido. Imagino que eu não seja a única pessoa a ter vergonha de algo que fez. E agora, por mais modestas que sejam minhas realizações em relação a ele, essa experiência foi muito, muito mais gratificante do que eu jamais pude imaginar que seria. Sinto-me feliz por ter feito algo que por tanto tempo foi apenas um sonho, e por ter vencido um pouco do medo que muitas vezes me prejudica em outras áreas que não esta (e isso só foi possível graças a todo o apoio que citei acima). E mesmo que o livro seja lido apenas por uma pessoa com muita paciência, tudo já terá valido a pena (mesmo que essa pessoa odeie, pelo menos eu lancei, hehehe!).

Por isso digo: lançar seu livro, seja por quais meios forem, vale a pena. Parece clichê, mas aquele negócio de correr atrás dos sonhos até que faz sentido...

Abraços a todos!

Liége

10 comentários:

  1. Puxa, você tem razão, Liége!

    Lendo o seu livro eu fui ficando cada vez mais empolgada para escrever o meu, e a gente não deve mesmo ter vergonha ou ficar com aquela cabeça de "ah, para que escrever se só 1d4 ou 1d6 de pessoas vão ler?"

    Temos que fazer isso não para os outros lerem, mas porque GOSTAMOS. Mesmo que no começo poucas pessoas leiam. O que importa é criarmos uma boa história que nos agrade - e que saia desse lixo de onda de vampiros afeminados e meninas retardadas ^^- Com o tempo, ela com certeza será lida e apreciada!

    ResponderExcluir
  2. Quando a gente faz algo, é natural termos vergonha, mas é muito importante correr atrás dos nossos sonhos e ideais. Eu, por exemplo, estou adorando o livro do Enigma da Lua, e sei que ele está ajudando minha irmã a ter boas ideias para o livro dela também :)

    E um negócio muito importante é que o fato de um livro ser pouco lido no começo não quer dizer que não seja muito bom. O contrário, como todos sabem, também é verdadeiro ^^

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que bom que você está ficando empolgada para escrever o seu livro, Amanda. Um dos meus intuitos em fazer esse blog e lançar O Enigma da Lua era exatamente esse, de animar pessoas que estivessem em situação parecida com a minha. Sei o quanto um empurrão pode ser essencial!

    O importante é mesmo fazer algo porque a gente gosta (vampiros afeminados, meninas retardadas, nããããããããõ!). Sei que meu livro não é perfeito, mas amo minha história, ela tem os elementos que eu gosto, e com certeza outras pessoas podem gostar ou odiar. No entanto, isso não é problema. O importante é fazer algo que gosta e dividir isso, com o tempo isso passará a render frutos, as vezes mais rápido do que a gente pensou \o/!

    E concordo com você, Marcela, o fato de algo ser lido por poucos não quer dizer que esse algo seja ruim, e o fato de ser lido por milhares não quer dizer que seja bom (acho que todos podemos pensar em exemplos disso, hehehe). Fico muito feliz que você esteja gostando do livro, peço que quando terminarem registrem quais foram as suas impressões!

    ResponderExcluir
  4. Tenho muito orgulho de ver o livro publicado, vejo que o desafio valeu a pena, principalmente pelo fato de conseguir vencer o próprio medo e ter mais confiança no seu trabalho!
    Com o tempo os leitores vão aumentar, o medo vai diminuir e outras pessoas vão se sentir motivadas a fazer o mesmo que você =)

    ResponderExcluir
  5. Hhahaha, é verdade Angela, não sei se tenho ainda muita confiança, mas o medo realmente se foi um pouco. Sabe quando você entra na água de um lago, piscina, sei lá, e ela está fria, mas com o tempo você vai se acostumando e a água fica uma delícia, é mais ou menos assim que estou me sentindo em relação a ter lançado o livro! =) (#metáforafeelings). Muito obrigada por tudo!

    ResponderExcluir
  6. Ambas fizeram um excelente trabalho, que merece apenas elogios. Concordo plenamente com as jovens Amanda e Marcela, e apenas lamento que alguns irmãos que estão próximos não se dignem a dar um pouco mais de atenção àquilo que ambas fizeram com tanto esmero.

    ResponderExcluir
  7. SPOILER, SPOILER SPOILER!!!!!

    A batalha no teste dos jovens é INCRÍVEL!!!!

    (^^ não vou revelar mais para não estragar a surpresa, mas foi de tirar o fôlego! Parabéns pelo excelente livro, Liege!^^)

    ResponderExcluir
  8. Que bom que gostou Amanda, eu particularmente gosto muito dessa cena, ainda mais por ser o primeiro combate do livro! Logo, logo eu vou postar a trilha sonora dela aqui, hehehe =)! Obrigada mesmo!

    Obrigada pelo comentário, Odin!

    ResponderExcluir
  9. Parabéns Liége e Ângela! Deve realmente ser um desafio escrever um livro e depois publicá-lo. Mas realmente a arte só se torna arte quando outras pessoas apreciam. Gostando ou não, elogiando ou criticando, o que importa é provocar algum sentimento nos leitores. De qualquer forma o saldo é sempre positivo!

    ResponderExcluir
  10. Oi André, obrigada pelo comentário. Você também foi responsável por isso, agradeço muito você ter feito a diagramação e deixado o livro mais bonito ainda. Concordo com você!

    ResponderExcluir