sábado, 31 de março de 2012

Inspiração e indicação - Valkyrie Profile

Um grupo perfeito! Não tinha um que eu não gostava!
Alguém já jogou Valkyrie Profile: Silmeria? (PS2) Me lembro até hoje que esse foi um dos jogos que mais me arrancou lágrimas deixou envolvida com sua história. Valquírias, deuses nórdicos, einherjars, reviravoltas, e um romance de deixar você com o coração na mão.

A história gira em torno de Alicia, a princesa do reino de Dipan, que abriga dentro de si o espírito de uma valquíria, a Silmeria do título, banida dos céus por Odin que é muito mal nesse jogo. É muito legal acompanhar o crescimento de Alicia, que no começo é bastante insegura e conta sempre com a ajuda de sua "companheira de corpo". Alicia precisa fugir em certo momento e encontra seus companheiros no meio do caminho, entre eles Rufus, que terá um papel muito importante na história e para ela também =). A história em si é ótima, o romance é lindo demais, os personagens são todos interessantes e possuem suas próprias motivações e passados bem explicados. MAS, prepare-se para desidratação severa no final.

Rufus, primo do Laucian que vive em outro mundo. Brincadeira!
Estou indicando e falando sobre esse jogo porque ele foi uma grande inspiração para mim na composição do casal principal do livro, a Elora e o Laucian. Inclusive o visual do Laucian foi inspirado no Rufus (que a gente descobre ser um meio-elfo no meio do jogo!!). O Laucian é mais bem-humorado do que o Rufus (mesmo porque Edrim é um lugar mais feliz do que Midgard na ambientação do jogo), mas no geral os dois são bem parecidos. Alicia também é bem semelhante à Elora, e inclusive possuí ajuda de um ente superior. Essa é uma história muio bacana que contém doses certas de aventura, romance, drama e desenvolvimento de personagens. Muitas vezes as pessoas acham que não existem boas histórias em video games, mas alguma das minhas histórias favoritas não estão em livros, e sim nos consoles! Enfim, o jogo é difícil na verdade (tinha uns chefes que eu precisei tentar matar umas 1000 vezes), mas é uma pérola para quem gosta de boas histórias e está escrevendo.

Fica mais fácil entender tudo o que acontece para quem jogou o primeiro Valkyrie Profile, que contava a história de Lenneth, valquíria irmã de Silmeria, mas é possível jogar sem ter conhecido o primeiro. Enfim, joguem!

E por último deixo um vídeo que me fez querer jogar esse jogo de novo e rever todas as cenas lindas da Alicia e do Rufus (tem outros casais no meio do vídeo, mas acho que vocês saberão reconhecê-los). Oh, pela Deusa, como eu sofri com esses dois!


Scarborough Fair - Stella Voci

quarta-feira, 28 de março de 2012

Dicas sobre editoras

Eu tenho ido atrás de editoras há um tempo. É, eu ainda tenho esse sonho bobo de publicar o meu livro por uma delas. Só que, veja bem: eu não tenho dinheiro.

Pois é, gente. O dinheiro que eu tenho guardado eu não posso dispender na publicação, porque eu preciso ter uma casa. Quero ter filhos. E infelizmente não tenho o suficiente para guardar para esses dois sonhos, e os primeiros são mais importantes. São a formação da minha família com o meu marido, e isso vem em primeiro lugar.

Por que digo isso? Porque eu não sabia, quando estava escrevendo, que seria cobrada para publicar. Olha, eu não estou falando mal das editoras. Não é bem isso. Eu acho um saco ter que pagar para trabalhar (porque é basicamente isso que você faz), mas mesmo assim entendo o sistema. As editoras menores estão no começo, e precisam "dividir" os custos com os autores, pois é um investimento de risco (mas não só para a editora! Para nós também!). Quem pode, pode, quem não pode se sacode, e a gente vai levando.

A única coisa que me deixa incomodada é que, nem sempre isso fica muito claro. Algumas vezes você entra no site da editora, e está lá o amigável link: publique seu livro!, com toda a política para envios de originais descrita. Nada é dito, nesse primeiro momento, sobre o fato de que você terá que pagar:

Revisão ortográfica
Revisão gramatical
Diagramação
Confecção da capa (orelhas, arte, etc.).
Fotolitos
Registros (ISBN, Biblioteca Nacional - pessoal, quem já fez me diga: quanto pagaram para registrar? Uma editora me cobrou 300 dinheiros)

Enfim. Talvez eu seja ingênua, mas no começo isso foi bastante... estarrecedor para mim. Algumas editoras deixam bem claro já em seu site quais são os serviços com os quais você terá de arcar, e de que a proposta é de PARCERIA com o autor que tem condições de custear parte da produção de sua própria obra, ou de impressão por demanda, enfim... Isso eu acho louvável, de certa forma, porque você já deixou claro que o autor terá que gastar SIM para publicar seu livro. A partir daí ele pode tomar a decisão de mandar os originais ou não, já estando avisado de que seu livro não será publicado totalmente de graça.

Editoras, deixem tudo claro em seus sites. Não é legal para quem está começando receber aquele e-mail ou aquela ligação de "gostamos muito da sua obra, queremos publicar", para depois receber aquele orçamento de mais de 5000 dinheiros - do qual o autor não tinha nem ideia - e ver seu sonho ir por água abaixo. Eu posso estar sendo muito ingênua ou reclamona, eu sei, mas isso envolve mexer com os sonhos das pessoas. Deixem claro que o autor terá de arcar com custos e despesas altas. Eu sei que a impressão e distribuição (mas que distribuição também? Deixar catalogado nos sites de grandes livrarias não é bem "distribuição") das obras, o lidar com as livrarias, o marketing (e muitas vezes quem divulga mesmo é o autor! Ou vocês acham que alguns barulhinhos na internet e noites de lançamento de autores anônimos atraem um monte de compradores/leitores? Geralmente quem aparece são os parentes e amigos do escritor! Depois é você que tem que gastar suor e saliva para divulgar!), tudo isso também envolve custos para as editoras. Eu entendo. Mas clareza deixa tudo mais fácil. Eu agora já estou vacinada, mas antes não estava. E veja bem, querido autor, que dependendo do preço de capa e da porcentagem que você irá ganhar em cima disso, seu investimento não retorna - muito menos dá lucro - apenas com a venda da tiragem inicial (geralmente de 1000 livros). Pois é. Tá pensando que escrever aqui no Brasil é mole?

Editoras, não digam "publicamos de graça, mas acabamos prestando serviços para o autor". Diga: fazemos a impressão, distribuição (quando fazem... eu nunca vi livros de autores iniciantes que estão na internet na livraria da minha cidade), e o que mais a publicação envolver, mas o autor tem que arcar com tais e tais custos. É mais honesto. Porque é óbvio que a maioria dos livros vai precisar de diagramação, revisão, capa, fotolitos... veja bem, na minha cabeça eu já tenho uma capa para o meu livro, mas a produção dela me foi cobrada das duas vezes em que recebi uma proposta (até porque eu só tenho o desenho, a arte da capa). Então não adianta você mandar com desenhos, capa, diagramação própria, a editora vai querer fazer o serviço dela até mesmo por questão de padronização, então você vai ter que pagar pelo serviço desses profissionais. Simples assim.

Isso para mim não entra no conceito de "publicar de graça" (deveria?). Para mim publicar de graça é publicar sem pedir um centavo do autor. Já percebi que ter a sorte de isso acontecer com o seu primeiro livro é quase tão provável quanto ganhar na loteria, mas...

Eu, particularmente, acho triste ter que pagar para publicar ( O Divasca reclama de desenhar de graça ou desenhar pela divulgação... imagina a gente que tem que pagar para publicar!). Veja bem a situação do autor (sendo bem parcial, ok?): Eu pago para publicar. Nem sempre ganho livros que eu escrevi (é, em uma das editoras eu tinha que comprar mesmo - preço de capa!, ou então trocava o valor que eu ganhava em direitos autorais por meus próprios livros). Tenho que divulgar. Mando para os blogueiros literários de graça (porque o sistema é esse), para que eles leiam e resenhem. Corro o risco de ser criticada negativamente se uma dessas pessoas não gostar da história. Para um escritor iniciante isso é muito complicado! Sua imagem se mancha! Lembro do caso - extremo, de fato - de uma garota que publicou por uma editora grande (que cobra de autores nacionais, e MUITO) e o livro foi lançado SEM revisão, simplesmente publicou-se do jeito que foi mandado (pois é, e tecnicamente a revisão está inclusa no pacote - eu também já recebi a proposta dessa editora, que miraculosamente avaliou e aceitou meu livro para publicação em três dias). O que aconteceu? Choveram resenhas negativas. Impacto ruim, não? Se o livro não estava pronto para publicação, a editora tinha a obrigação de negar a obra ou revisar direito. Outra coisa ruim: muita gente escreve hoje em dia. Nem sempre as pessoas tem a noção de que seu livro ainda não está bom, e, se podem pagar, simplesmente mandam. Algumas editoras publicam, e, aí, foi-se! Mas me digam: isso é um trabalho sério? Isso é ajudar ou atrapalhar os autores nacionais? Sim, pois a cada livro nacional lançado de forma desleixada, mais pessoas ficam com o pé atrás com essas publicações e acabam preferindo a literatura gringa ou aquilo que já está consolidado.

Enfim, tudo isso para dar a algum escritor iniciante que por aqui passar uma luz. Alertá-los para algo que eu não sabia. Por isso, aqui vão algumas dicas para você reconhecer as editoras que cobram mesmo que elas não digam isso em seus sites:

1 - Desconfie de muita disponibilidade. Como eu disse, geralmente as editoras que cobram estão interessadas em publicar. Links com "publique seu livro", "publique com a gente", "saiba como publicar seu livro" e similares podem já indicar que a editora tem interesse em publicar porque irá ganhar algo com isso, nem que seja "prestando serviços editoriais" que sim, serão obrigatórios para a sonhada publicação. (Há uma editora que é receptiva mas não cobra, seu nome é Multifoco).

2 - Desconfie de respostas imediatas. Quando lhe mandam um e-mail da seguinte forma "recebemos seus originais, em breve entraremos em contato" logo que você envia o manuscrito, desconfie. Se a avaliação do original for rápida (algo como dias) provavelmente você irá receber a tal aceitação com um lindo orçamento (a "proposta de publicação") anexado.

3 - Confira o catálogo da editora. Quando a editora tem poucas obras e muitas são de autores desconhecidos e nacionais, fique atento.

As editoras que não cobram nem sequer acusaram o recebimento de meus originais, e levam cerca de meses para dar uma resposta. Quando não querem publicar, elas geralmente não respondem e pronto.

Para não tornar esse post mais longo do que já está, sugiro a leitura de um ótimo e honesto artigo de Laura Bacellar, clicando AQUI.

E boa sorte a todos! Como eu disse há uns tempos atrás, publicar, de qualquer forma que seja, é um prazer, mesmo que seja só por e-book! Portanto não pense que você só pode publicar seu trabalho se tiver uma editora! Conheça também o trabalho do Clube de Autores, da Bookess, e semelhantes. Uma forma de ter seu livro no formato impresso e de fazer seu próprio trabalho sem ter que gastar.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Ilustração colorida - Laucian e a última flecha

E hoje mais uma vez a Angela me agraciou com a alegria de receber outra ilustração colorida! Eis que temos o Laucian em toda a sua tensão para literalmente salvar o grupo spoiler. Nesse momento tá quase todo mundo caído no chão.


Já que estamos dando spoilers gratuitos, esse combate faz parte do quarto capítulo, no qual os aventureiros estão em uma ilha onde se esconde um necromante (tam-tam-tam!). Mas será que ele é apenas um mago negro ou esconde algo mais? Pode ser que uma surpresa desagradável aconteça...

Laucian todo trabalhado na pose épica. Angela rules!

Como sempre, espero que gostem, comentem e fiquem curiosos, queridos e fiéis leitores!

domingo, 25 de março de 2012

Tolkien Reading Day

Descobri que hoje (ainda) é o Tolkien Reading Day. Dia de unir parentes, amigos e família para ler algo de Tolkien. Eu deixo aqui a vocês a intimação de Fingolfin, o bravo noldor que teve a cara e a coragem de desafiar Morgoth:






"...Come, open wide,
dark king, your ghastly brazen doors!
Come forth, whom earth and heaven abhors!
Come forth, O monstrous craven lord,
and fight with thine own hand and sword,
thou wielder of hosts of banded thralls,
thou tyrant leaguered with strong walls,
thou foe of Gods and elvish race!
I wait thee here! Come! Show thy face!"


"Vem, abre,
escuro rei, as tuas tenebrosas portas de bronze!
Avança, aquele que a terra e os céus abominam!
Avança, Ó monstruoso senhor cobarde,
e luta com a tua própria mão e espada,
seu comandante de hostes de escravos bandidos,
seu tirano protegido com fortes muralhas,
seu inimigo de Deuses e raça élfica!
Eu espero-te aqui! Vem! Mostra a tua cara!”

Este é um trecho da balada de Leithian, que consta na coleção "History of Middle Earth". Fiquei arrepiada ao ler as palavras de Fingolfin, essa com certeza é uma das partes mais bonitas de O Silmarillion, e achei que as palavras em verso deixaram tudo ainda mais épico!

E vocês, tem alguma parte favorita nas obras de Tolkien ou nos filmes inspirados por elas?

sábado, 24 de março de 2012

Ilustração colorida - suplicante

Saudações queridos e fiéis leitores! Hoje eu recebi mais uma linda ilustração da Angela e resolvi postar aqui para vocês verem como ficou legal. A cena pertence ao terceiro capítulo e ilustra um momento em que a Valenia está confusa e sozinha, angustiada por estar sentindo coisas que não acha apropriadas e de repente... algo aparece! Um morto-vivo chamado "suplicante", potencialmente letal para quem é assombrado por ele.


Bem, eis aqui! Espero que vocês gostem do desenho e fiquem curiosos para saber o que vai acontecer...

terça-feira, 20 de março de 2012

Ilustrações - Perigo!

Como eu não aguento de siricuticu, vou postar para vocês o rascunho dos dois últimos fodásticos lindos desenhos da Angela. Eles ilustram partes tensas no livro, em que vidas estão em perigo (tam-tam!) e o pessoal tem que lidar com os percalços do caminho que tomaram.

Na primeira ilustração a Valenia está com problemas...

Valenia e o suplicante exorciza Myron!, por Angela Takagui

E na segunda, o Laucian está tentando acabar com um problema =D

A última flecha, por Angela Takagui

Pois é, o negócio não vai ser fácil para eles, não! Prometo que posto as versões coloridas por aqui depois, e prometo tentar me controlar para não postar imagens que soltem muitos spoilers...

Por enquanto é isso, pessoal! Espero que gostem quem não gosta das ilustrações lindonas da Angela...

sábado, 17 de março de 2012

Feliz dia de São Patrício!


Como eu adora música e cultura irlandesas, eu não poderia deixar de desejar um feliz dia de São Patrício a vocês vou decretar feriado em Edrim, queridos leitores! Para comemorar a alegria desse dia verde, fiquem com a bela Daughter's of Erin, ou "filhas da Irlanda", do Secret Garden adoro.

Ergamos a nossa cerveja verde na taverna e digamos: Sláinte!* Dinheiro, prosperidade e leprechauns livros publicados para todos!


Olha, eu só encontrei esse vídeo dessa música e a pessoa que o fez adora pássaros!


*saúde em gaélico!

quarta-feira, 14 de março de 2012

Post relâmpago

Patrocinado pelos feiticeiros de Nuvara.
Saudações, queridos leitores. Hoje venho apenas com um post rápido só para vocês não desistirem de entrar aqui ^_^!

Em breve espero poder noticiar mais resenhas do livro por aqui e até mesmo uma entrevista que andei respondendo e que espero que seja publicada! Enquanto isso não acontece, no entanto, tenho duas coisas a dizer:

Andei lendo novamente alguns trechos do primeiro livro e percebi que algumas partes realmente estavam muito confusas. A cada dia me convenço mais de que ainda tenho muito a aprender como escritora, e espero apenas que esses tipo de erro vá desaparecendo. Percebo que muitos foram causados por uma espécie de "falta de consciência" enquanto eu estava escrevendo. Hoje minha percepção é maior e tomo muito mais cuidado para descrever uma cena de forma que ela fique inteligível para todos e não apenas para mim.

Peço perdão e agradeço novamente a todos vocês que leram e fizeram provavelmente alguns esforços para entender certas passagens. Fico feliz de saber que muitos acharam a história cativante apesar disso. Eu fiz uma correção mais elaborada em algumas partes do livro, e agora temos uma nova versão no Clube de Autores e em PDF também. Aos poucos quero ir sanando erros em todas as partes e páginas, mas minha dissertação anda me barrando e confesso que estou fazendo isso no ritmo que dá.

Se vocês tiverem alguma sugestão ou quiserem citar aqui nesse post alguma parte que não entenderam, por favor sintam-se à vontade para fazê-lo.

Outra notícia legal vai para aqueles que talvez estejam interessados em adquirir um livro impresso! O Clube de Autores está com desconto de 25% em seus livros até esse domingo! Se quiserem dar uma olhada, basta clicar no ícone do Clube de Autores aqui na barra direita do blog. 


O livro 2 anda parado, mas estou tentando desenvolver as ideias. Confesso que estou com um certo bloqueio criativo, causado pela síndrome do "nada-do-que-eu-escrevo-está-bom". E também pelo pane que a escrita da dissertação de mestrado causa no meu cérebro.

Contudo, ele já está com umas 120 e poucas páginas em A4, então estamos tendo progresso. Estou em uma parte emocionante na qual os personagens estão descobrindo mais sobre suas vidas passadas!  Pena que eu fico escrevendo e apagando um monte de parágrafos. Se eu usasse uma máquina de escrever, teria milhares de bolas de papel em uma lixeira agora =D.

Enfim, por hoje é só. Novamente deixo aqui meus agradecimentos e o desejo que vocês comentem e opinem como os leitores legais que são ^_^!

Abraços a todos!

quinta-feira, 8 de março de 2012

Feliz dia da mulher!

Apesar de eu não ser uma pessoa que liga muito para esses dias comemorativos pré-estabelecidos, quero desejar a todas as minhas leitoras não só um feliz dia da mulher, mas sim um feliz ano, século, milênio... Baseada em um texto escrito pela minha super ilustradora Angela, com o qual, aliás, eu concordo muito, eu quero aqui deixar a minha reflexão.

Sabe, é fácil encher o peito e falar "eu respeito as mulheres, os homossexuais, os negros, eu não tenho preconceito", é fácil seguir o tra-lá-lá do politicamente correto de hoje em dia e deitar a cabeça no travesseiro como se tudo estivesse bem. Tá resolvido. A gente diz que respeita uma massa subjetiva de pessoas e pronto. Não conta uma piadinha ali ou aqui e já acha que cumpriu seu dever e vai receber o presente do papai-noel no final do ano por ter sido um bom menino.

Agora, olhe ao seu redor e pense: você tem sido capaz de respeitar os seus amigos? As pessoas que você ama? O seu companheiro/companheira? Independentemente de raça, gênero, opção sexual, você consegue respeitar as pessoas que estão perto de você pelo que elas são?

Você pensa no que vai falar para não magoar quem ama/te ama, você toma cuidado com as suas palavras, você procura não diminuir aqueles que estão do seu lado para se sentir melhor consigo mesmo? Você tenta impor a sua opinião a todo custo, ou procura compreender e ouvir REALMENTE quem está com você? Ou você é daqueles que utilizam qualquer assunto como brecha para falar de si mesmo?

Respeitar alguém e tratá-lo com igualdade é muito mais do que comemorar uma data como essa ou dizer aos quatro ventos o quanto você tem a mente aberta. É primeiro procurar compreender e respeitar quem está perto de você. É ser ouvinte de vez em quando. É tirar os olhos do próprio mundo, quando se conseguir, para tentar entender o mundo do outro. De quem você conhece. Esse é o primeiro e mais importante passo.

Não pensem que estou falando isso tudo como se fosse para alguém alheio e não para mim. Eu preciso e muito pensar nisso o tempo todo. Quando fico zangada porque alguém me desrespeitou de alguma forma ou me magoou, sempre tem uma vozinha no fundo... será que também não fiz isso? Será que por vezes não ajo da mesma forma? Teve aquela vez que eu me sobressaltei e acabei falando algo que não devia, será que não fiz o mesmo?

Então, termino esse texto dizendo: respeitemos um ao outro por amor, e não por obrigação. Não porque é bonito falar que defende ou ergue tal bandeira. Façamos isso primeiro em nossos âmbitos pessoais, antes de encher a boca e falar o quanto somos esclarecidos por não termos preconceitos. Examinemos se as atitudes que dizemos ter estão mesmo presentes em nosso cotidiano, na forma de ações concretas.

Enfim, essa é a minha reflexão de hoje, e eu espero conseguir ser consciente o bastante para aplicá-la no meu dia-a-dia.

Feliz dia das mulheres, queridos leitores!

terça-feira, 6 de março de 2012

Ganhadora do sorteio!

Saudações, nobres e queridos leitores! Vocês devem se lembrar que sorteei por aqui um exemplar impresso de O Enigma da Lua e quem ganhou foi a Angela, não é? Isso me deu uma oportunidade legal de tirar uma foto com ela e mostrar a minha ilustradora mega-boga fodástica por aqui! Vejam como ela é simpática!

Angela segurando seu exemplar e eu com a minha cara de tonta peculiar. As duas envergonhadas!

Legal, não? Parabéns à Angela! Deu trabalho tirar essa foto porque euzinha aqui não parava de rir! Por isso saí com essa cara vermelha trakinas morango. Estávamos nos preparando para uma partida do bom e velho RPG =D.

É isso, postagem relâmpago! Em breve eu volto com mais novidades, aguardem-me, BWAHAHAHAHA!

quinta-feira, 1 de março de 2012

Imagens do livro 2 - Anderion

E já que vocês estão tendo que esperar o segundo livro, eu não resisto e posto as ilustrações que a Angela está desenvolvendo. Essa imagem linda de hoje estará no segundo capítulo do livro, e mostra os quatro jovens de Silena e seu bravo companheiro e protetor Galnor na cidade portuária de Anderion. Eles estão procurando por um navio que os leve até Nuvara...

Anderion, por Angela Takagui. Clique para ampliar!

Eu particularmente AMEI essa imagem! Se bem que ainda não teve um desenho da Angela que eu não tenha adorado, hehehe...

Por hoje é só, queridos leitores! Espero que apreciem e comentem!