segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Meu top 5 - coisas esquisitas sobre mim

Saudações, queridos leitores.

1 - Ver o blog sem atualizações me deixa deprimida.
2 - Quando eu estou de saco cheio eu preciso escrever. Preciso botar alguma coisa para fora. Como o meu querido Odin está dando aula e eu não posso falar ininterruptamente com ele sorte dele no momento XD, eu vim aqui fazer um post divertido que tirará minha cabeça da dissertação/apresentação em evento na universidade/curso de português que irei dar nessa semana/falta de RPG/outros perrengues que todo ser humano tem. Devia estar cuidando das minhas obrigações, mas sou procrastinadora. E isso nos leva ao post!

TAM-TA-RA-RAM!!!


O objetivo desse post é o seguinte: a(s) criatura(s) dona(s) do blog deve falar um pouco sobre si. Deve selecionar 5 coisas aleatórias e interessantes sobre sua pessoa. Oh, Deus, eu não sei se eu tenho 1 coisa de interessante para falar sobre mim, mas na falta de coisas interessantes vou falar de chatices mesmo. PRONTOS, PRONTOS??


Isso é porque eu adoro Mulan.

Primeiramente eu devo dizer que achei esse "meme" no blog Nem um pouco épico de quem confesso também estar roubando os gifs adoráveis de Mulan. Mas a ideia partiu do Conversa Cult e pertence a eles, ok? Créditos dados, vamos lá:

5 - Eu detesto dirigir.

Sim, sim, eu detesto dirigir. Tive que fazer o teste para tirar a habilitação 3 VEZES, 3 ESCANDALOSAS VEZES. Foi traumático e triste drama. Passado o processo de tirar a CNH, eu até prossegui dirigindo um pouco, mas me descobri preferindo andar, pegar um ônibus, ir de charrete, ou qualquer coisa, do que dirigir um carro. Eu nem curto carros de modo geral. O povo baba nos modelos novos, sabe nomes e marcas e eu boiando e perguntando por que não gastar o dinheiro que se gasta em um carro de marca em um fusca cor-de-rosa e um estoque de algodão-doce.

Brincadeiras à parte, o fato é que eu tenho, na verdade, um pouco de pânico de dirigir: tenho medo do trânsito. Sou uma pessoa avoada, distraída e tenho um péssimo - péssimo mesmo - senso de direção e espaço. Não dirigir me traz alguns desconfortos, e em breve eu pretendo voltar a treinar e ir perdendo o medo, mas gostar, gostar, acho que nunca vou.

4 - Eu amo romances (já perceberam?), mas quase nunca assisto ou leio nada com esse "tema".


Isso se deve a um fato: eu adoro romances, mas ao mesmo tempo sou uma chata com eles. Eu costumo detestar - e não estou exagerando com essa palavra - comédias românticas, por alguns motivos: enredo e personagens irritantemente repetitivos (e olha que eu sou fã de clichês), situações irritantemente repetitivas, falta de carisma, falta de verossimilhança, humor sem graça e por aí vai. Os livros com foco em romance hoje em dia também não me atraem, por motivos de: exagero de descrições melosas e paixões arrebatadoras unicamente por ~beleza física~ e presença massiva de triângulos amorosos. Eu definitivamente não sou fã de triângulos amorosos (mas de alguns eu gosto, sim. Só não acho que tudo precisa ter triângulo amoroso).

Daí eu vou ler os livros de fantasia que têm romances no meio e fico feliz. Pronto. Eu tenho respeito demais pelo amor conjugal para achar que ele deixa as pessoas todas idiotas ou cheias de mimimi, caramba!

3 -  Sou preguiçosa, procrastinadora, desorganizada e não amo trabalhar.

DESONRA!!!
O negócio aqui é sinceridade, ok? Sou ultra-preguiçosa, meu lugar preferido da casa é o sofá e procrastino tudo que posso. Não amo trabalhar. Não, não. Trabalho porque preciso e o que me salva é o meu senso de responsabilidade. Apesar de toda a minha preguiça, eu jamais falto nas aulas que dou, não me atraso (praticamente surto se saio de casa tarde demais) e nunca deixo de entregar trabalhos no prazo, com o perigo de ter crises de TOC. Mas hoje parece meio que pecado falar que não ama-adora-venera seu trabalho e que não se importa muito em não ter uma carreira super-mega-fodástica (eu me contento em ter meu pão de cada dia e pronto). Sei lá, eu até curto dar aula porque sei que estou ajudando as pessoas e passando um conhecimento que tenho (e eu gosto muito dos meus alunos), mas se puder trocar e ficar em casa namorando o marido, brincando com a cachorrinha e fazendo torta de limão, filho, eu troco no ato (sim, eu gosto de ser dona de casa, não me atirem pedras por favor).

Mas HÁ um trabalho que eu AMO-ADORO-VENERO: escrever. Esse sim. Só que acontece que não posso viver dele, porque poucas pessoas parecem querer trocar o dinheiro do trabalho delas pelos meus escritos. Então outro motivo pelo qual eu não amo tanto trabalhar é porque meu trabalho me desvia do outro trabalho que eu realmente amo. E quando a gente está começando a soar confusa está na hora de trocar de item.

2 - Eu amo, adoro, venero e amo mais um pouco cachorros (e eu adoro animais no geral - exceto insetos).

Eis a nossa Kimi, carinhosamente chamada de princesa caramelo!
Esse aqui dispensa tantas explicações, não? Eu simplesmente amo cachorros e prefiro eles a muitos seres humanos. Eles representam aquilo que eu mais valorizo nesse mundo: amor e fidelidade sem restrições. Há uns dias atrás, uma cachorrinha muito querida que minha mãe abrigou na casa dela estava extremamente doente e nós pensamos que ela ia morrer. Fui lá me despedir e fiquei sozinha com ela por um tempo enquanto o Matheus falava com o veterinário. Naquele momento eu disse a ela que fosse em paz, e falei, meio que sem pensar: "vá em paz, porque tudo o que você fez em cima desse planeta foi bom e trouxe alegria. Tudo. Que ser humano pode partir e se gabar disso?". E eu realmente acho que é bem por aí mesmo.

E no fim, a cachorrinha - Nina - não morreu \o/!

1 - Redes sociais me incomodam. 

Podem falar o que quiser, mas redes sociais me incomodam. Sim. Eu me rendi ao twitter e digo que até gosto do bichinho, mas o poder generalizador absurdo dessas ferramentas me assusta. Uma frase mal contextualizada na casa do passarinho, e pronto: você já disse algo que não queria dizer.

O Facebook, então, me assusta mais ainda. Apesar de toda a utilidade que eu reconheço nele, aquilo é uma vitrine onde você expõe apenas o que quer. O lado bonito da sua vida. As viagens, os momentos mais incríveis, as fotos que te valorizam, o relacionamento mais perfeito e lindo com recadinhos, músicas e declarações, os seus valores mais altruístas, o seu lado "revolucionário", engraçado, cult, ou o que quer que você escolha. O Facebook me parece um photoshop que manipula a vida. Ninguém posta (ou ao menos não julga postar) o lado feio (e normal, afinal), a cara lavada que acabou de acordar, as desavenças com o parceiro/parceira, sei lá. Eu também não postaria! Não estou dizendo que todo mundo deve lavar a roupa suja no facebook, e acho ótimo você valorizar o que tem, mas que aquilo é uma uma ferramenta que te possibilita criar uma "imagem"  de perfeição, alegria, beleza, "revolta", inteligência, e etc., isso é. E se você não tomar cuidado, você se leva por toda essa onda de mundo perfeito e acha que o seu mundo é anormal e esquisito. Não, não é não.

Eis aqui o meu top 5. Sintam-se livres para comentar, discordar, fazer um top 5 nos comentários ou o que for. Se bem que eu duvido que alguém vá ter paciência para ler isso até o fim XD.

Até mais, queridos leitores!

15 comentários:

  1. Hahaha, ótimo post, gostei muito de relembrar o desenho Mulan. Mas há alguns "erros" que hei de esclarecer:

    1) Eu gosto muito de conversar com minha amada esposa.

    2) Você não é chata com histórias de romance: a maioria delas infelizmente é ruim e repetitiva mesmo.

    3) Você quando dirige é uma motorista muito atenta e cuidadosa.

    Quanto a minhas 5 esquisitices:

    1) Odeio pessoas arrogantes, que por conta de delírios de grandeza injustificados se sentem no direito de menosprezar outros.

    2) Acho que o trabalho deve ser algo importante para a vida, e não a razão dela. Hoje em dia é muito comum viver para trabalhar e não trabalhar para viver.

    3)Acho que os valores que regem nosso mundo hoje são vazios e hipócritas. Os homens, principalmente, estão cada vez mais acomodados e superficiais. (desonra para todos, como diz o sábio Mushu)

    4)Não gosto da maneira como as pessoas por comodidade justificam muitas coisas erradas que acontecem dizendo que "faz parte da vida".

    5) Acho que cães em geral são criaturas melhores do que seres humanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Eu sei que você gosta de conversar comigo, Odin. Por isso mesmo falei que era sorte sua você não está aqui, porque você ouve todas as besteiras que eu falo XD.

      2) Sou sim. Sou chata e cricri com romances XD.

      3) Posso ser atenta, mas minha atenção estabanada não me parece suficiente.

      Gostei das suas 5 cincos esquisitices, Odin. E concordo com elas :).

      Excluir
  2. Hehehe... Meme interessante. Conforme fui lendo, fui me identificando com algumas coisas que você escreveu e também pensando no que eu poderia tirar de mim para fazer um também (ficaria bem esquisito)

    Sobre dirigir, trânsito é uma coisa que dá stress. Não só dentro da cidade... Estrada também (eu trabalho em outra cidade... passo boas horas na estrada e digo que não gosto mesmo) Moro numa cidade pequena, digamos assim, e acho o trânsito daqui caótico.

    Romances... Sei lá... Leio todos.

    Sobre o lance do trabalho, eu poderia dar um Ctrl+C, Ctrl+V no seu texto. Gosto de dar aula, mas me sentiria mais completa se pudesse viver dos meus escritos e desenhos.

    Animais... Não tem nem o que falar. São perfeitos.

    Redes Sociais: se pudesse, sumia de todas elas. O que me segura nelas se resume a apenas uma palavra, pelo menos neste momento: Amberblades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hohohoho, você podia fazer lá no blog do Amberblades também, Gisele! Confesso que foi divertido escrever.

      O trânsito de Londrina tem ficado cada vez pior, e realmente é uma coisa que me causa pânico. Nossa, eu imagino que ficar na estrada quase todo dia deve ser bem estressante...

      Pois é, eu torço muito para quem quer viver de escrever (ou ao menos conseguir uma graninha com isso), porque sei como é. Eu gosto de dar aula, mas sinto uma pequena (não tão pequena) pontinha de frustração por saber que por enquanto não tenho nem perspectivas de ganhar um pouco de dinheiro com isso - eu mais gasto com os livros do que ganho, mas mesmo assim amo escrever e não quero parar. Além disso, sei que me falta talento ainda. Então é um negócio que me alegra e me frustra ao mesmo tempo XD.

      Hehehehe, eu também não gosto nem um pouco das redes sociais e te entendo perfeitamente, Gisele... mas você faz bem de se manter a elas pelos seus livros. Acho que só por isso vale a pena mesmo.

      Sim, animais são perfeitos :).

      Excluir
  3. Vamos às minhas (e vocês verão o que é ser realmente esquisito):

    1) Eu ODEIO filmes: adoro assistir séries, desenhos, animes, tokusatsus, seriados, musicais, esportes e até horário político. Mas eu, JAMAIS, assisto filmes.

    2) Não consigo pronunciar a letra "L": e assim foram pro espaço meus sonhos de ser narrador ou dublador. Não consigo pronunciar palavras como "Lula", ou "leilão" sem enrolar a língua e passar vergonha.

    3) Eu AMO, AMO, AMO andar de ônibus: dizem que a pessoa sai da pobreza, mas a pobreza não sai da pessoa. Deve ser o meu caso.

    4) Eu tenho medo MORTAL de sapos: e um personagem meu também tem. Já repararam como os sapos são seres terrivelmente horrendos? Alguem aí já viu um sapo sorrindo? Não, eles estão sempre com expressões terrivelmente fechadas, como se fossem seres infernais prestes a atacarem a humanidade. E não duvido que sejam isso mesmo.

    5) Eu odeio cebolas: e acho que o mundo seria melhor sem elas. Muito melhor.

    Há outras esquisitices também, como ter escrito uma poesia falando sobre rabanetes, mas é melhor parar por aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jaco, eu nunca conheci alguém que odiasse filmes!! Realmente curioso!! Você nunca assiste filmes mesmo??

      E a letra L... puxa!! É sacanagem divina esse negócio de enrolar a língua, não? Eu, por exemplo, não consigo pronunciar direito a palavra exigência. Vira e mexe falo "ezizencia", e isso me rende muita vergonha nas aulas que dou.

      Puxa, sabe que eu também curto andar de ônibus? De verdade! Eu só não gosto quando está muito, muuuito cheio.

      Seu medo de sapos é justificável. Eu também tenho medo deles. Já jogamos uma aventura de Cthulhu na qual eles mataram a todos.

      Quando você diz que odeia cebolas eu lembro de Odin, porque ele as adora e as come puras!

      Excluir
  4. Leonardo Viera Andrade21 de agosto de 2012 13:00

    HAHAHAHAHA. Gostei da iniciativa! Vou citar algumas esquisitices, ou loucuras, minhas.

    1)Sou um esquerdista: Não gosto do conceito "moralidade da maioria". Tenho uma pré-disposição de questionar os ideais de uma maioria. Gosto de ver os dois lados de uma questão, e não apenas do lado considerado certo. Isso ajuda a ter uma compreensão universal das coisas.

    2)Sou uma pessoa caótica: Não preciso nem comentar! HAHAHAHAHAHAHA. Mas vou comentar mesmo assim (porque sou chato). A Vila Cassino (lugar onde vivi minha vida toda, e ainda vivo) é uma área de residência militar. Todos aqui são envolvidos, de uma forma ou de outra, com a Base. Eu me considero um punk nerd que questiona tudo e a todos, então, tentem imaginar como o pessoal me via. Resumindo para os rpgistas, “Eu sou um gnomo que vive entre os anões”. AHAHAHAHAHAHAHAHAHA

    3)Tenho manias incorrigíveis: Eu adoro andar pela casa só de meia, eu peno para lavar elas depois! AHAHAHAHAHAHA Outra mania minha é sorrir quando escrevo ou me concentro, isso faz com que as pessoas achem que seu um cara debochado (o que não foge muito da verdade)!

    4)Essa aqui seria um copiar e colar da esquisitice 2) do Odin.

    5)Tenho uma estranha sorte de sempre acertar nos palpites: Eu não sei explicar muito bem isso, mas eu consigo criar estranhas suposições e com elas palpites que quase sempre estão certos. Um exemplo: Nos comentários das Crônicas de Elgalor, eu dava palpites de que era o Thur que iria aparecer, o Erol morrer e da Melian gostar do Bheleg.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha, Leonardo, devo dizer que não me surpreendi com suas esquisitices, porque realmente seu "comportamento caótico" e questionador já havia ficado aparente nos blogs! Mas achei muito interessante saber o contexto onde você cresceu e como lida com isso: um gnomo no meio dos anões foi uma definição muito boa. XD

      Acho sempre bom ver os dois lados da questão. Realmente por vezes a moralidade da maioria não é lá muito confiável, a gente tem que saber pesar as coisas.

      Acertar nos palpites é um negócio legal. Tem vezes que eu acerto também, mas nem sempre.

      Excluir
  5. Eu li até o fim!

    E eu também amo Mulan! Roubei todos os gifs!

    Gostei da sinceridade, Liége. Realmente, hoje em dia dizer que você não gosta de trabalhar é se colocar na mira das facas. Existe mesmo esse culto de trabalho e ter uma mega carreira. Eu até gosto de trabalhar, mas não diria que é minha grande alegria da vida, nem de longe. Também gosto dos alunos, mas é um trabalho bem desgastante. Preferiria escrever e estudar.

    E quanto a redes sociais, também me assusta o poder que elas parecem ter na vida das pessoas. Eu uso Facebook e Twitter, mas principalmente como uma forma de divulgar meu trabalho. Tanto de escritora quanto de blogueira. Até tenho perfil pessoal no Facebook, mas não costumo postar muita coisa pessoal. Não sei, acho até perigoso. E é realmente chato ficar vendo essa vida feliz e perfeita no Facebook. Principalmente quando você sabe que a vida da pessoa na verdade é um lixo. Mas enfim.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, Melissa. Sim, dar aulas é um trabalho desgastante mesmo e eu também preferiria escrever e me dedicar a isso. Mesmo porque eu sei que preciso de bastante treino para melhorar, e quando você está cansado o seu rendimento para esse tipo de coisa não é tão bom.

      Eu também acho perigoso colocar informações pessoais em qualquer lugar da rede! Eu tento fazer isso pouco. Acho que o lugar no qual eu mais me exponho é esse blog mesmo, mas é porque aqui acabo me sentindo mais à vontade.

      O Facebook assusta mesmo. Outro dia estava na casa de uma amiga e ela estava me mostrando alguns perfis e postagens e foi aí que comecei a notar isso. É um negócio muito esquisito. Você monta a imagem que quiser lá. E o ser humano no geral é muito ligado em imagem.

      Excluir
  6. Ixi... suas esquisitices não são esquisitas não, muito pelo contrário. Eu também tenho pânico de trânsito e não fiz força para tirar carteira depois de duas reprovações. Meu marido aprendeu a dirigir aos 30 anos, por necessidade absoluta para se deslocar entre casa e dois locais de trabalho, mas odeia.

    Quanto ao trabalho, a maioria de nós curte algumas coisas dele e outras não, e quem escreve tende a ver esse como seu verdadeiro trabalho e a atividade fixa como o ganha-pão. Quem diz que não gosta de trabalhar quase sempre está querendo dizer ou que não gosta do seu emprego ou que até gosta, mas não gostaria de ter de ir lá diariamente, obrigatoriamente, ter prazos a cumprir... Quem não é assim?

    Sobre as redes sociais, eu até gosto, conheci muita gente bacana nos bons tempos do Orkut e estou sempre no twitter divulgando meu trabalho (e às vezes matando o tempo), mas não fico ligada 24 h. Nem falo de coisas pessoais. Quer dizer... quase nunca, hehehe. :)

    Bom, minhas esquisitices:

    - Eu fico andando pela sala enquanto ouço música (meio que interpretando, fazendo teatrinho ou fingindo que toco guitarra). Faço isso com vários tipos de música, de MPB a jiga irlandesa. Mas só quando estou sozinha em casa.

    - Eu roo minhas unhas. E a pele em volta delas também. Só escapam as do pé.

    - Eu sempre, sempre, SEMPRE leio o final dos livros antes de chegar à metade deles. Já tentei resistir, mas não deu.

    - Eu não uso maquiagem, batom, esmalte, perfume, nada disso. A última vez que usei foi para ser madrinha de um casamento em 2003 (calma, desodorante eu uso: podem respirar aliviados!)

    - Eu falo de xamanismo, contato com a natureza e tal, mas sou uma urbanoide que gosta de viver em cidade grande, raramente come frutas e verduras e (perdoem-me) não é lá muito fã de bichos, embora naturalmente ache que eles devem ser bem-tratados.

    Bom... é isso. Espero que sejam compreensivos com as minhas idiossincrasias. E para quem me lê: cada um dos personagens principais do meu livro tem suas esquisitices todas particulares, desde a mania de limpeza do Cyprien às dancinhas da Anna de Bryke. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha, Ana, acho que o conceito de "esquisitice" no título da postagem foi erro meu, porque no fundo o post não é sobre 5 esquisitices minhas, e sim sobre 5 coisas aleatórias. Eu deixei as piores esquisitices guardadas em um baú (abafa, abafa!).

      Eu concordo com você, Ana, sobre o trabalho. Acho que a maioria das pessoas se sente assim, mas não é todo mundo que admite não. Ao menos na minha experiência, o pessoal na faculdade quase brigava para ver quem se matava mais de trabalhar, quem estava com a maior olheira... acho que é uma questão de percepção do trabalho como sinal de "ser batalhador", de status pessoal mesmo. O pessoal literalmente se gabava de estar morto de cansaço, então o negócio que me incomodava é que o trabalho não era simplesmente para ganhar seu dinheiro, se sustentar e crescer na profissão, era um grande "lustra-ego" também. E é isso que eu acho louco.

      Eu também como a pelinha das unhas, Ana XD! E danço quando estou sozinha. Já cheguei a brincar de lança com uma vassoura enquanto limpava a casa e ouvia heavy metal.

      Eu uso maquiagem, mas só de vez em quando e pouco. Grandes produções ficam para festas só, igual você!

      Ah, Ana, eu sempre penso e brinco que ninguém é obrigado a gostar de bicho e criança (duas coisas que são quase sempre adoradas), mas respeitar e tratar bem é essencial é o bastante.

      Excluir
    2. Ai, e como é bom saber que não sou só eu que não gosto de dirigir!! VOCÊS FAZEM COM QUE EU ME SINTA NORMAL!!

      Excluir
  7. Normal? Sinto muito. De perto, ninguém é. :)

    ResponderExcluir