terça-feira, 25 de junho de 2013

Trilha sonora inusitada II e uma notícia bacana!

Saudações, queridos leitores!

Vocês devem ter visto que o título é duplo, mas explico: como ando com pouco tempo para fazer postagens, vou ter que aproveitar e colocar tudo o que eu quero abordar de uma vez só por aqui.

Primeiramente, esse post será mais um da série "Trilhas sonoras inusitadas", iniciada com o Roupa Nova ♥, como alguns devem lembrar XD. A minha trilha sonora inusitada de hoje inclui ninguém mais, ninguém menos do que a "rainha do pop".

Sim, ela mesma, Madonna. Na verdade, eu não gosto e nunca gostei muito de Madonna. Simplesmente não faz o meu estilo e apesar de conhecer várias músicas dela (todo mundo acaba conhecendo), nunca curti muito não.

SÓ QUE, eu vou dizer... a Madonna fez uma música, umazinha, que eu acho tudo de bom e maravilhosa. Daquelas que eu escuto e fico arrepiada. Sério. Na minha humilde opinião, ela estava muito inspirada no dia que compôs essa lindeza-dramático-romântica. Essa música me acompanha desde a escrita do primeiro livro e se tornou trilha sonora de um ♥ casal ♥ nesse segundo livro (alguém arrisca um palpite?).

Em todo seu esplendor, aqui vai "The Power of Goodbye":



Gente, faz quinze, QUINZE anos que eu ouço essa música e não me enjoo dela. Nunca! (eu só não gosto do final do clipe, é meio drástico demais).

Eu amo o Alfred, pronto, falei!
Bem, existe uma cena no segundo livro que casa bem demais com essa música. Estão lá dois personagens em uma praia fria (eu sei, praia é cliché, mas eles estão em uma ilha, não resisti, gaaaah!), conversando, e falando sobre despedidas. Aliás, posso recomendar a leitura do conto A Borboleta de novo para vocês? Com essa trilha sonora? 

Para baixar, clique AQUI, ok? Diz respeito a algo muito importante do segundo livro. E do terceiro vindouro também :). 
***

Enfim, agora vamos para a segunda parte da postagem: a Gisele B. Bizarra acaba de lançar MAIS UM LIVRO, gente! É Fúria - Chamas do Tempo! 

 O livro já está no Clube de Autores e até dia 26 tem promoção lá! Então, vamos garantir a leitura das férias, povo? Para saber mais, cliquem AQUI e vejam a postagem no blog da Gisele!

É isso, pessoal! Em breve volto com notícias, postagens, e espero poder dar boas notícias em um futuro próximo (como "terminei o livro", êêê!). 

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Divulgação: A Extinção - Série Raças, por Roberto C. Magalhães

Saudações, queridos leitores! Há alguns dias atrás, fui contatada pelo autor Roberto C. Magalhães. Assim como eu e tantos outros por essa blogosfera sem fim, ele é um autor independente, alguém que está buscando divulgar sua obra e fazer-se conhecido.

Carioca de 20 anos, Roberto diz de si mesmo: "Ariano, jogador de RPG desde os 11 anos, apaixonado por mundos maravilhosos e fictícios. É também autor da série Raças, atualmente está promovendo o primeiro livro (A extinção)". 

Pois é, você, pessoa que acha que RPG é coisa do tinhoso. Eu já perdi as contas das pessoas que se sentem estimuladas a ler e escrever por causa desse jogo. Que tal rever seus conceitos? 

Enfim, continuando a divulgação: O primeiro livro de Roberto C. Magalhães chama-se "A Extinção" e faz parte da série "Raças - O mundo por trás dos humanos". Confira a sinopse abaixo: 

"Em um mundo aparentemente como o nosso, raças habitam em meio aos humanos livremente, sem serem percebidas. Mas eis que tudo irá mudar e o princípio envolve o jovem Andrew em uma aventura descomunal. Ele se vê perseguido e envolvido em uma trama que revelará segredos a muito escondidos da humanidade, segredos de uma guerra universal. Aventure-se em muita ação e emoção com inicio da série Raças, descubra que o princípio do fim encontra-se no Rio de Janeiro". 

Legal, né? O melhor de tudo é que esse livro está disponível para download GRATUITO, meu povo! Para isso, basta visitar o SITE do autor. Confira também sua página no facebook!

Por hoje é isso, pessoal! Vamos apoiar e prestigiar o trabalho do Roberto!

domingo, 9 de junho de 2013

Em que pé está "O Círculo dos Sete"?

Fonte
Pois é, queridos e estimados leitores! Já estamos na metade do ano e eu mesma me fiz a pergunta que titula essa postagem. Talvez vocês também estejam querendo saber.

AFINAL, MULHER, EM QUE PÉ ESTÁ O SEGUNDO LIVRO? Tá terminando ou não?

O livro já está em estágio avançado, digamos. Em A4 temos 230 páginas, e em A5 essas páginas pulam para 459. Contabilizo três novos capítulos, e várias cenas reescritas. Uma, inclusive, totalmente jogada fora e feita de novo. 

VOCÊ ANDA ESCREVENDO?

Sim! Não no ritmo perfeito, não como gostaria. Por vezes eu realmente não tenho tempo, e quando o tempo surge, nem sempre tenho pique para abrir o word e botar a massa cinzenta para funcionar. Mas posso afirmar que escrevo toda semana. 

QUAL É O PROBLEMA? 

O problema é fazer com que tudo fique coerente. A história está tomando dimensões maiores agora, e eu sinceramente estou com medo de não dar conta. É muita coisa para pensar, e as constantes pausas não servem para ajudar em muita coisa. MAS, não temam! Acho que está dando tudo certo. 

Uma das maiores mudanças que está consumindo meu tempo refere-se a Nuvara. Na primeira versão do livro, confesso que a passagem dos personagens por lá era significativa, mas foi narrada meio que rápido demais. Foi algo que não notei na primeira vez, mas depois me dei conta de que, caso eu quisesse realmente caracterizar Nuvara como um lugar com vida própria (dentro das minhas limitações), teria de gastar mais tempo lá (foi aí que nasceram mais três capítulos, nos quais desenvolvi ideias que eu tinha descartado por achar que terminaria a história nesse segundo volume). Olha, eu posso dizer que a história por lá está ficando mais legal. Os moradores da ilha estão mais bem caracterizados, temos costumes, uma língua própria (NÃO, eu não inventei uma língua, só chuto umas palavrinhas lá no meio), tradições, etc, etc. Não sei se está ficando super, mas está melhor do que antes, ao menos :). 

Além disso, nesse livro o foco sai um pouco do par Elora ♥ Laucian. Temos um desenvolvimento maior de outros personagens, o que é necessário e já estava previsto, né? Obviamente, os dois continuam sendo figuras centrais e muito importantes (e que precisam se desenvolver também), mas nesse livro Myron e Valenia vão dizer com mais propriedade a que vieram, Drimme e Lafaia aparecem para não serem meros coadjuvantes inúteis (não, não!) e Galnor caminha para ter sua trama revelada. PORQUE ANÕES MERECEM TER SUAS HISTÓRIAS!

Sim, eu acredito que conseguirei mesmo terminar esse livro esse ano, mas ainda não sei quando. Eu quero que ele fique bom, e nunca sei se está bom. Eu quero que fique melhor que o primeiro. Eu quero que seja capaz de prender a atenção, eu quero que vocês continuem gostando, eu quero que AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHH!!!

Eu quero que minha sanidade me permita terminar XD. 

Até breve, nobres leitores!

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Um sorriso secreto

Dia 06 de junho é sempre um dia especial para mim. Não só porque é aniversário do Odin/Matheus/marido,  mas porque também é um dia que marca fases da minha própria vida. Conheci Odin quando ele tinha 23 anos. Hoje, ele faz 33. Faz 10 anos, praticamente, que o vi pela primeira vez.

Quando conheci aquele que seria, afinal, meu amor para toda a vida, ele era do tipo de pessoa que não sorria muito (em comparação ao resto das pessoas que conheço). Acho que falava menos ainda. Bastante fechado, mas nunca mal educado. Gentil. Muito gentil, e, característica principal que notei no primeiro dia em que nos falamos: paciência, prestatividade. E de forma muito natural. Logo nesse início, percebi o quanto havia de especial ali, embora só tenha me dado conta disso depois.

"Odin" continua sorrindo pouco, falando pouco, e ouvindo muito. Mas eu, que vivo todos os dias com ele, tenho a oportunidade de ouvir bastante sua voz e de ver vários de seus sorrisos. 

Um sorriso em particular me parece especial. Parece que é dirigido a mim somente. Um sorriso secreto, por assim dizer. Um que ele dá mais com os olhos do que com os lábios.

Eu tenho trilhas sonoras para minha vida. Tem sempre uma música tocando na minha cabeça, sempre. E elas são de todos os tipos. É uma mistureba de estilos e coisas que conheci durante toda a minha vida. Faz uns dias que uma música tem voltado a minha mente, vinda diretamente da minha (pré)adolescência. Lembrei dela durante um desses sorrisos. Não é nem muito do meu estilo favorito, mas é uma dessas trilhas sonoras inusitadas, porque a música serve ao momento, à inspiração. E a letra não poderia ter mais a cara do meu amado, essa pessoa de sorriso discreto, de poucas palavras, mas de um amor estupidamente imenso em seu coração. Depois de dez anos, ele continua a me surpreender e a me ensinar, porque meu marido não é só uma pessoa com quem divido um teto, e sim um companheiro de alma.


(Semisonic também tinha a encantadora "Closing Time", que eu ainda adoro).

"I know there's something sacred and free reserved, and received by me only".

Aproveitando, digo um feliz dia dos namorados adiantado por aqui também :).