terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Novas experiências literárias de 2014 e início de 2015

Saudações, queridos leitores! 

Como eu disse, uma das minhas metas em 2015 é não deixar o blog tão parado. Sinto saudades de escrever aqui e, por isso, cá estou para dividir com vocês algumas das minhas descobertas literárias de 2014 e do início de 2015. 

No ano passado li pouco. Minha cabeça não estava lá essas coisas e eu acabava deixando a leitura em segundo, terceiro plano (pois é, pois é), mas isso acabou me trazendo uma consequência positiva: o que li, li porque queria muito, e, em certos casos, porque havia uma vontade grande de me atracar com obras que há tempos vem me chamando, devagarinho, pedindo para que eu as desbravasse :)... 

2014 também foi um ano mais introspectivo. Por algum motivo, me vi sem tanta vontade de ler fantasia clássica (por mais que ame muito esse gênero) e senti necessidade de me aventurar por outras paragens. Foi assim que tive experiências muito bacanas e acabei me apaixonando por novos autores. E é isso que gostaria de compartilhar com vocês. Me abri para outras experiências e tive ótimas surpresas!

1 - Juliet Marillier 

Nhóin, curti o cão ♥

Juliet Marillier é uma autora neo-zelandesa de 66 anos e acho muito bacana o fato de ela já ter sido professora, ainda mais de música. Acho que me identifico com isso, hahaha (sou professora e amo música, ebaaa). Bom, o fato é que ela escreve fantasia, sim, mas os dois livros que li dela eram de fantasia histórica, passados no crepúsculo celta da Irlanda. O primeiro, "Filha da Floresta", conta a história de Sorcha, e o segundo, "Filho das Sombras", foca-se em Liadan, filha de Sorcha. 

Meu objetivo não é fazer uma resenha ou algo muito detalhado aqui, portanto, o que tenho a dizer é que achei os dois livros deliciosos. Houve uma cena que me desagradou bastante no primeiro livro, "Filha da Floresta", algo que me deixou de estômago enjoado e me fez parar a leitura por um tempo. Mas, o fato é que estava tão envolvida com a história e com o clima de conto-de-fadas que continuei mesmo assim e não me arrependi. 

Eu sou fascinada por tudo o que envolve a história antiga da Irlanda, por seu folclore, cultura, música, então acho que isso ajudou bastante. Os livros me lembraram "As Brumas de Avalon", mas são mais leves e mais "mágicos", por assim dizer. Curti muito os romances, os personagens e a narrativa em primeira pessoa, que não deixa de ser detalhada, mas nunca cansa. Já estou com o terceiro livro da trilogia Sevenwaters aqui, "Filha da Profecia". 

2 - Stephen King



Nunca tinha lido nada do Stephen King até 2014. Eu sou muito medrosa e terror/horror é algo que me impressiona facilmente. No entanto, eu me aventurei na leitura e na escrita desse gênero em 2013 e acabei descobrindo um gosto pelo mistério e pelo sobrenatural (e pelo frio na barriga e o braço arrepiado) escondido lááááá dentro. 

Quando escrevo e leio terror/horror, me sinto descarregando um pouco as tensões de um jeito diferente. Não sei explicar muito bem, mas aí está, é uma faceta minha que desconhecia. Ou seja, mais um gênero para curtir e escrever (embora eu ainda odeie qualquer coisa que se aproxime do "gore" ou que use sexo e muita violência/tortura para chocar e assustar).  

Foi então que decidi que tinha que ler Stephen King. Eu sempre gostei das entrevistas e declarações que li dele e admiro sua trajetória de altos e baixos, de lidar com os fantasmas e o alcoolismo. Mas, como eu ainda continuo sendo medrosa, procurei escolher a dedo o que leria dele pela primeira vez. Me decidi por "O Iluminado", porque já havia visto o filme e conhecia a história, portanto, achei que iria me assustar menos. 

Ledo engano. 

Hahahaha, eu me assustei bastante lendo "O Iluminado", senti muita tensão, mas não fiquei apavorada. Foi um livro muito mais emocional para mim do que pensei. O final encheu meus olhos de lágrimas, meu coração de pena, e também me trouxe uma lição muito bonita. Confesso que me surpreendi muito, pois, por causa do filme, não era isso que eu esperava encontrar. Gostei bem mais do livro e entendi bem mais o pai de Danny - Jack Torrance - depois dessa leitura. Me tornei fã da escrita prolixa de Stephen King e quero mais, mais... tanto que ganhei três livros dele de Natal: "Doutor Sono" (a continuação de "O Iluminado"), "Misery - Louca Obsessão" (algo me diz que esse aqui é mais apavorante do que os outros, por conta da situação do personagem escritor) e "It - A Coisa" (mal consigo olhar para o palhaço da capa, mais EU VOU LER!!! EU CONSIGO!!). 

Mais do que pelo terror, Stephen King me conquistou por seus personagens e pelo modo como os faz tão humanos e reais. 

3 - Tahir Shah



Estou apaixonada por "Nas Noites Árabes", único livro que li até agora do escritor Anglo-afegão Tahir Shah. Estou apaixonada pelo Marrocos, pela Casa do Califa (preciso agora ler o livro de mesmo nome), pelas pessoas incríveis que encontrei em sapateiros, bérberes, contadores de histórias, videntes... pela vida que conheci na praça Jema El Fna e pelo deserto. Fui a Casablanca, a Fez, a vilarejos longínquos e conheci uma forma completamente diferente de ver o mundo. 

Tahir Shah conhece o ocidente e o oriente e foi um verdadeiro banho de água fresca (mesmo no deserto) na minha vida, uma ponte entre esses dois mundos. Não tenho como explicar muito bem, mas me emocionei bastante lendo esse livro, que é um caderno de viagens, na verdade (e eu o levei comigo e o li em uma viagem, o que foi muito legal). Me dei conta de como não sabemos ver o outro, como somos, por vezes, muito limitados em nosso pequeno mundo. Há muito o que aprender e ver lá fora. 

O livro também é um verdadeiro ode às histórias e ao ato de contá-las e passá-las de geração em geração. Gente. Sei lá, só peço que procurem saber mais sobre esse autor e, se tiverem oportunidade, viajem nas Noites Árabes com a escrita fluida e gostosa dele. Foi meu último livro de 2014, uma escolha maravilhosa. 

4 - Carlos Ruiz Zafón



Meu primeiro livro de 2015 está sendo "A Sombra do Vento". De certa forma, ele está complementando maravilhosamente "As Noites Árabes", sendo também um livro que glorifica o poder das histórias e está me fazendo viajar, dessa vez por Barcelona. Mas "A Sombra do Vento" é uma ficção, não um caderno de viagens, uma história completamente mágica, difícil de definir (tem romance, suspense, uma pitada de fantástico, é meio gótico, é engraçado, é tudo em um livro só). A escrita do autor, um espanhol de 50 anos que é um verdadeiro artista das palavras, é lindamente poética e estou impressionada. Pretendo conhecer mais dele no futuro. Por enquanto, estou enrolando a leitura de "A Sombra do Vento" para saborear o livro e não terminá-lo tão cedo. 

***

Bem, essas foram as minhas novas e mais significativas experiências literárias de 2014 e início de 2015. E vocês, pessoas, tiveram leituras marcantes e novas descobertas nesse período? Divide com a gente nos comentários!

4 comentários:

  1. Fiquei muito feliz de ver que você voltou para o blog. Sigo ele há pouco tempo, mas fiquei triste ano passado quando você parou de escrever (claro que entendo os motivos, mas não deixamos de ficar tristes né? :) ). Comprei seus dois livros e pretendo ler pelo menos o primeiro para um desafio desse ano! Assim que resenhar te conto aqui! Boa sorte na escrita do próximo!! :D

    Samara - www.infinitoslivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Samara, muito obrigada pelo carinho! Devagarzinho eu vou voltando ao normal aqui no blog, afinal, mesmo precisando me afastar, senti bastante falta de escrever por aqui. Que bom que você está nos seguindo e que comprou os livros, puxa, fiquei muito contente. Espero que goste e, se você conseguir resenhar, conta pra gente! O próximo livro está nascendo :D

      Um abraço!!

      Excluir
  2. Oi, Li, feliz ano novo!!!!

    Este ano de 2014 eu li bem pouquinho, mas fiquei muito contente em ver que você também gosta dos livros do Tahir Shah. Nas noite árabes é bárbaro, e se você ler A Casa do Califa, um ano em Casablanca, tenho certeza que vai amar também ^^.

    A Juliet Marillier escreve muito bem, e adorei a trilogia Sevenwaters, apesar de ter umas partes meio pesadas que não curti.

    E brigada de novo por voltar a este blog tão fofo. Eu estava com saudades e nem sabia ^^

    Beijos da Amanda!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Amanda!! Feliz ano novo para você também!!

      Estou maluca atrás dos livros do Tahir Shah, A Casa do Califa é minha próxima aquisição literária, com certeza ♥. Pena que aqui os livros dele sejam caros e difíceis de encontrar (tem que encomendar pela internet, porque em Londrina não tem uma livraria que tenha, nem para pedir!). Fico indignada com isso, ainda mais porque descobri que o autor já veio para cá algumas vezes dar palestras e fazer lançamentos, mas quem disse que a gente fica sabendo? Conheci esse livro quando estava pesquisando para escrever Coração de Areia. Fico triste de saber que ele não está em destaque e evidência com luzes piscando e tambores rufando nas livrarias. Infelizmente, o comercial e o pop sempre tem mais espaço... :(

      A Juliet escreve muito bem mesmo, por isso os livros acabam ficando muito gostosos de se ler, ainda que algumas partes mais pesadas também me desagradem. Eu também estou com um dela aqui em casa que é mais juvenil, acho que vou gostar ainda mais. Depois eu conto para vocês!

      Eu também estava com saudades de escrever por aqui, mas estava com mais saudades ainda de ler os comentários de vocês e respondê-los. Obrigada você, viu?

      Um beijo no coração!

      Excluir