domingo, 15 de fevereiro de 2015

A promessa

Em algum dia desses resolvi que iria clicar em uma música aleatória no youtube. Eu faço isso de vez em quando. Um dos meus maiores passatempos é escutar música - é uma atividade que permite que eu sinta muito sem precisar fazer quase nada. Eu amo escrever, óbvio, mas escrever demanda ação, pensamento, pede que eu coloque a cachola para funcionar. Nem sempre estou disposta, nem sempre a cabeça ou o coração estão colaborando. Muitas vezes, quero apenas ficar quieta, em silêncio, contemplando o escuro da noite, a quietude da rua sem o movimento do tráfego diário, a respiração vagarosa do meu marido que já dorme fundo... 

Foi numa dessas noites que eu descobri "The promise", de Tracy Chapman. Eu já conhecia a cantora por causa da famosa e adorável "Baby can I hold you tonight" (diga-se de passagem que conheci primeiro a versão do Boyzone), mas "The promise" eu não conhecia. 

É uma música linda. E ponto. Fala sobre o quê? Saudade, amor, espera, coisas que todos conhecemos de um jeito ou de outro. Mas, além da música, o que mais me chamou atenção foram os comentários. Parece-me que a canção e sua letra atraem várias pessoas que querem partilhar seus sentimentos, contar sobre suas perdas. Pessoas que declaram saudades a pais, filhos, esposas, maridos, irmãs, cachorros e outros que se foram. Lamentam relacionamentos terminados. Dizem arrepender-se de seus erros.

São nesses momentos que percebo o quanto nós, seres humanos, somos parecidos em nossos anseios mais básicos e indispensáveis. Existe sentimento mais universal do que a saudade, por exemplo? Poderia dizer amor (ou ódio)? Amor é universal, sim, mas nós, muitas vezes, tendemos a deixá-lo de lado, a não dar a ele o devido valor, imaginando que ele sempre estará ali. Os amores mais perenes e mais importantes em nossas vidas são aqueles que a gente gosta de acreditar eternos. Nem queremos pensar em perdê-los, mas uma hora eles têm de ir, de uma forma ou de outra, e é aí que entra a saudade. E eu digo, da saudade ninguém escapa. Não tem como deixá-la de lado, menosprezá-la, porque ela dói. Não raro, dói muito. 

Inspirada nessa breve reflexão, vamos ficar com a música e com alguns dos comentários - traduzidos - que eu li no vídeo. Muitos deles são simplesmente saudade palpável, saudade em palavras. Muitos me levaram às lágrimas.




"Essa música diz tudo. Descanse em paz, Nicole Marie. Quando eu me juntar a você do outro lado, nós nos encontraremos novamente, do jeito que nos encontramos nessa vida, apenas não vamos esperar estarmos com 30 e poucos anos de novo! As crianças e eu vamos amá-la e sentir sua falta para sempre. Seu marido que te ama, Michael".  

"Você não queria poder voltar no tempo para dizer a alguém que você o ama... antes que eles saiam da sua vida? :("

"James, eu sinto sua falta, e as pessoas que você encontrou em seus 18 anos conosco também. Eu espero que você tenha encontrado paz na outra vida. Nós fomos deixados com memórias de seu sorriso, sua voz e suas palavras. Corações quebrados à procura de sentido, razão e significado em sua partida súbita. Eu te amo, filho". 

"Essa música me faz perceber os erros que cometi". 

"Nós usamos essa música em nosso casamento e ainda cantamos um para o outro agora. Mesmo depois de 8 anos a amamos e sempre achamos nossa caminho de volta um para o outro depois de uma discussão". 

"Dez anos desde que você morreu nos meus braços, Gill, e ainda dói tanto. 38 não é idade para morrer, amor, e quando nossa garotinha de 13 anos me pergunta "como era a mamãe?" a dor se torna insuportável. Sinto tanto a sua falta". 

"Eu não estou procurando atenção, eu só preciso tirar isto do meu coração. Eu vou encontrar meu caminho de volta para você, papai, descanse em paz. Eu sinto falta do seu abraço quente e de seus conselhos - sua filha. Para todos os anjos no céu, nós sentimos sua falta, nós o veremos em breve". 

"Eu assumi a responsabilidade de me juntar ao exército e servir meu país. Nunca percebi o quanto seria difícil estar sem a pessoa que eu amo ao meu lado. Essa música me atinge profundamente. Eu te amo, Hani, sempre e para sempre!". 

"Quando eu escuto essa música ela me parece uma conversa entre eu e meu filho de 18 anos que foi morto enquanto servia nosso país. Ele era um menino doce e querido, com tanto amor para dar a todos. Não há palavras para expressar minha dor e o quanto eu sinto a falta dele. Eu queria poder segurá-lo em meus braços novamente e dizer que eu o amo, e fazê-lo saber que a vida seria tão melhor com ele nela. Eu te amo, Seth, para sempre e sempre. Mamãe". 

"Essa música me faz pensar o quão sortudo eu fui em minha vida... sentir amor é a melhor coisa que Deus nos deu, mas como é difícil quando acaba". 

"Eu e meu pai verdadeiro costumávamos ouvir essa música... eu não o vejo há sete anos... e toda vez que eu ouço essa música ela me faz lembrar dele e eu só quero chorar muito. Eu sinto falta dele e eu queria poder vê-lo...".  

"O vazio no coração não vem apenas por causa do amor que você tinha por uma pessoa, mas também por causa do amor que ela tinha por você". 

"Você não morreu até que eu saísse do quarto".

"Não espere que alguém esteja fora da sua vida para começar a sentir falta dessa pessoa. Sinta falta agora. Ame agora. Deixe as pessoas saberem que há espaço no seu coração para elas, um espaço que mais ninguém pode preencher. Aushia e Rukia - minha filha e minha esposa - isso é para vocês". 

Essa música também me faz pensar o quanto sou sortuda. Me faz sentir gratidão quando penso que tenho a oportunidade de escutar a respiração suave do meu marido todas as noites, quando nós nos deitamos. Nem todos os meus amores foram simples, nem todos os meus relacionamentos são aquilo que eu gostaria que fossem - mas tenho certeza de que amo e sou amada e posso viver isso todos os dias. E isso é motivo para acordar sorrindo todas as manhãs.

Não é? 

10 comentários:

  1. Sábias palavras!

    Esta música passa uma mensagem muito bonita e profunda, e confesso que fiquei surpreso com alguns dos comentários traduzidos. São ocasiões diferentes, pessoas diferentes mas sempre a mesma essência: relembrar o quão importante são as pessoas que amamos, e os momentos que passamos com elas.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a música!!
    Aliás, deixo a sugestão dessa: https://www.youtube.com/watch?v=96y2s1jo4QE

    Descobri jogando o jogo "Life is Strange". Não tem exatamente a mesma temática, mas não deixa de ser algo ligado à nostalgia, ao menos na minha opinião. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, André, que linda essa música também, obrigada! Muito nostálgica e também tem uma letra que fala de algo universal, né, que é a luta para ultrapassar os obstáculos em um mundo que muitas vezes parece impossível... e daí que vem a nostalgia por tempos mais simples.

      Saudade e nostalgia me parecem duas faces de uma mesma moeda, onde está uma está outra, quase sempre...

      (outra música nostálgica é aquela da propaganda da Nikon: https://www.youtube.com/watch?v=P8a4iiOnzsc - impossível NÃO CHORAR!!).

      Excluir
    2. Verdade! Gosto bastante desse estilo meio "indie folk" :)

      Excluir
    3. Eu também! Meio "Simon e Garfunkel", adoro!

      Excluir
  3. Tanto a música como os comentários no vídeos são emocionantes. Enquanto ouvia, fiquei lembrando de pessoas que já se foram. E é aí que você para e fica pensando, pensando e pensando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Gisele, eu lembro que fiquei emocionada quando percebi a quantidade de comentários desse tipo que havia nesse vídeo. Um monte de pessoas relembrando aqueles que se foram, aquilo que não pode ser recuperado, a não ser por meio da memória. Também fiquei (e ainda fico) muito pensativa e emocionada... pensando, pensando e pensando, como você disse.

      Excluir
  4. Puxa, Li, que coisa mais linda!!! Sniff, sniff ^^

    Eu não conhecia essa música, e confesso que meus olhos enxeram de água quando eu ouvi lendo esses comentários. Faz a gente parar de ser bobo e prestar atenção naquilo que realmente vale à pena na vida.

    A gente perde tanto tempo com coisas, sentimentos e ideias bobas que não percebe que aquelas coisas que amamos mesmo podem não estar ali no dia seguinte. É como se nós, inconscientemente, parássemos de dar valor a algo realmente precioso por alguns momentos para nos focar em raiva, medo ou futilidade porque pensamos que "aquilo vai estar sempre lá mesmo, então, não tem problema se eu ficar aqui remoendo minhas tosquices de vez em quando." Mas na verdade, tem sim, e muito.

    Nos últimos dias, andei revoltada por causa de umas cretinices que li na internet, e isso me tomou um tempo que eu podia ter passado tranqulinha com meu marido, só porque eu no fundo sabia que ele sempre estaria ali, então, eu "podia perder um tempinho para remoer minha raiva e indignação".

    Mas essa música me lembrou que eu não posso. Muito obrigada pro compartilhar ela com a gente, li.^^ Você é muito sábia!!!

    Beijos da Amanda^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindas as suas palavras, Amanda, eu que agradeço por você ter compartilhado seus sentimentos com a gente. Olha, eu não sou nada sábia... eu entendo perfeitamente o que você disse e já passei por muitos e muitos períodos de revolta em que eu perdi tempo não valorizando aquilo que realmente importa. E, como você disse, nós não podemos mesmo fazer isso, porque cada segundo é precioso e nós não podemos nos deixar levar pela ilusão de que o que nós amamos vai estar sempre ali.

      Esse tempo perdido nos machuca e deixa o peito vazio. Eu também tenho que lutar e prestar atenção para não deixar raiva, revolta e tantas outras coisinhas me pegarem de jeito. Mas todos nós temos que lutar essa luta e retomar o nosso caminho certo. Não se sinta mal ou sozinha, viu. Eu já bati muito a cabeça e continuo batendo...

      (E a internet anda f*** mesmo. Eu te entendo, mas a gente tem é que tentar ignorar, porque o negócio tá feio!!! É muita gente defecando pelos dedos no teclado e expondo isso ao mundo).

      Excluir